segunda-feira, 14 de abril de 2014

Clube de Compras Dallas

Clube de Compras Dallas (Dallas Byers Club, EUA, 2013) – Nota 8
Direção – Jean Marc Vallée
Elenco – Matthew McConaughey, Jennifer Garner, Jared Leto, Denis O’Hare, Steve Zahn, Michael O’Neill, Dallas Roberts, Griffin Dunne, Kevin Rankin.

Em 1985, o eletricista e cowboy de rodeios Ron Woodroof (Matthew McConaughey) descobre estar com AIDS e recebe a notícia de que teria apenas mais trinta dias de vida. Sujeito rude e teimoso, Ron não aceita o diagnóstico e decide pesquisar sobre a doença. Ele encontra matérias sobre uma droga chamada AZT que combateria a doença. Ao procurar o hospital para participar dos testes, Ron tem o pedido negado. Ele ainda consegue comprar o remédio de um enfermeiro que rouba o produto do hospital, até ser informando sobre um médico no México que estaria prolongando a vida do doentes com um tratamento diferente. Ron viaja para o México e encontra o Dr. Vass (Griffin Dunne), com quem cria um canal clandestino de importação de remédios e assim inicia o chamado “Clube de Compras Dallas”, uma espécie de organização que vende para os doentes medicamentos que ainda não foram aprovados pelo governo. 

Baseado na história real de Ron Woodroof, este longa do canadense Jean Marc Vallée tem como um dos pontos principal a narrativa sóbria, que não apela para as cenas dramáticas pesadas comuns aos filmes sobre doenças. Esta escolha acertada se casa perfeitamente com a magnífica interpretação de Matthew McConaughey, que lhe rendeu o merecido Oscar de Melhor Ator. A transformação física do ator (McConaughey aparece extremamente magro e com o rosto de uma pessoa doente), passando pelo transformação de caráter do personagem e a forma como ele enfrenta médicos, governo e o preconceito, são dignas de um grande ator. 

Vale destacar ainda Jared Leto como o homossexual Rayon, que se torna amigo do personagem de McConaughey e por consequência um dos motivos da mudança de valores do protagonista. 

O bom roteiro também dispara críticas ao controle de medicamentos do governo e a ligação deste com as grandes indústrias farmacêuticas, que consideram o lucro mais importante do que curar pessoas.   

4 comentários:

Marcelo Keiser disse...

Uma palavra para descrever esse filme: fantástico! O prêmio de melhor ator para Matthew McConaughey é mais do que merecido!

abraço

Gustavo disse...

Filme que conscientiza sem ficar tratando o público com condescendência lamechas. Os elogios pros atores são merecidíssimos.

Hugo disse...

Marcelo - E o melhor atuação da carreira de McConaughey.

Gustavo - Esta escolha de criar um filme sóbrio foi um grande acerto.

Abraço

Kleiton Gonçalves disse...

"são dignas de um grande ator"

Eu não dava um centavo pelas "atuações" dele. Mas mudei de ideia após esse filme!