terça-feira, 11 de março de 2014

As Aventuras de Pi

As Aventuras de Pi (Life of Pi, EUA / Taiwan / Inglaterra, 2012) – Nota 8
Direção – Ang Lee
Elenco – Suraj Sharma, Irrfan Kahn, Rafe Spall, Ayush Tandon, Gautam Belur, Adil Hussain, Tabu, Gerard Depardieu.

Pi Patel (Irrfan Kahn) é um indiano que vive em Montreal e recebe a visita de um escritor (Rafe Spall), que o procurou após uma viagem a Índia onde um senhor, o tio de Pi, disse que o sobrinho havia passado por uma história fantástica que com certeza resultaria num ótimo livro. 

Pi aceita contar sua história para o escritor, relembrando desde sua infância na Índia quando morava em um zoológico administrado por seu pai, a convivência com a mãe e o irmão mais velho, até chegar na viagem de navio que levaria sua família para viver no Canadá e que terminou de forma trágica. 

Os filmes do diretor chinês Ang Lee são sempre perfeitos na parte técnica, seja nos enquadramentos de câmera como nos efeitos visuais, tendo “O Tigre e o Dragão” como grande exemplo até este ótimo “As Aventuras de Pi”, que na minha opinião chega ao mesmo patamar de qualidade. 

O longa pode ser dividido em duas partes, com a primeira mostrando a infância e adolescência de Pi, suas descobertas e questionamentos, inclusive a curiosa religiosidade do personagem. A segunda parte se transforma numa aventura contada como se fosse uma fábula, valorizada por efeitos visuais fantásticos e uma explicação final que fecha com perfeição a bela história de superação. 

O novato Suraj Sharma dá conta do recado, carregando sozinho quase metade do filme em meio a sequências de ação extremamente criativas. 

O resultado é um belíssimo filme, com uma trama original que prende a atenção do início ao fim.

7 comentários:

Amanda Aouad disse...

De fato, um belo filme que nos prende, envolve e emociona. Adoro a forma como ele arremata a história com a crença em Deus.

bjs

Bússola do Terror disse...

Aliás, o Suraj Sharma ainda nem era ator quando foi chamado pra fazer o filme, né? Foi um amigo que inscreveu ele na seleção pro elenco pra brincar com ele.
Depois disso é que ele se dedicou à profissão.

Ana Leonilia disse...

Eu assisti um pouco do filme, quando passava momentos da infância do personagem e, pelo pouco que vi, gostei. Ainda pretendo assistir na íntegra, porque parece ser um belo filme mesmo. :)

Bjs ;)

Gustavo disse...

Tinha medo de ver esse filme por achar que seria um sermão sobre fé, mas o roteiro oferece coisas muito mais instigantes. Realmente, foi um belo trabalho de adaptação e visualização.

Hugo disse...

Amanda - A questão religião é um detalhe importante na trama, sem ser algo forçado.

Léo - Eu sabia que era seu primeiro filme, mas não conhecia a história de como ele foi escolhido.

Ana - A segunda parte da trama aumenta o drama e a aventura. Vale a sessão.

Gustavo - Ang Lee acertou em cheio, resultou em um dos seu melhores trabalhos.

Abraço

Silvia Freitas disse...

Eu tbm tive medo de assistir o filme e ver algo bem açucarado, mas não! Achei fantástica a maneira em que a história foi contata, a fotografia e o desfecho. Ótimo trabalho do Lee.

Hugo disse...

Silvia - A trama passa longe de se água com açúcar.

Abraço