segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

O Homem de Gelo

O Homem de Gelo (The Iceman, EUA, 2012) – Nota 7,5
Direção – Ariel Vromen
Elenco – Michael Shannon, Winona Ryder, Ray Liotta, Chris Evans, David Schwimmer, Robert Davi, Danny A. Abeckaser, John Ventimiglia, Ryan O’Nan, McKaley Miller, James Franco, Stephen Dorff.

Nova Jersey, 1964, Richard Kuklinski (Michael Shannon) trabalha montando filmes pornográficos em um laboratório que pertence ao mafioso Roy Demeo (Ray Liotta). Quando o chefão percebe que Richard é um sujeito frio, ele oferece um novo emprego, ser seu cobrador de dívidas. Casado com a doce Deborah (Winona Ryder) e precisando de dinheiro, Richard aceita o emprego e se torna também um matador de aluguel, ficando famoso entre as famílias mafiosas e conhecido como o “Polaco”. Durante vinte anos Richard esconde da família a carreira de assassino, até que uma disputa entre mafiosos e seu envolvimento com o psicopata conhecido como Mr. Freezy (Chris Evans) chama a atenção da polícia. 

Baseado na história real do verdadeiro Kuklinski, que alega ter matado mais de duzentas pessoas, este longa do israelense Ariel Vromen foge do esteriótipo de glamour da vida dos mafiosos, para mostrar a realidade dos esconderijos sujos, da vida ordinária e dos assassinatos cruéis. 

O grande destaque é a atuação de Michael Shannon, que com seu “rosto de pedra” está perfeito como o sujeito frio que demostra um pouco de sentimento apenas no convívio com a esposa e as filhas, que são uma espécie de oásis em meio a sua vida secreta e violenta. Por sinal, a carreira de Michael Shannon deu uma merecida alavancada após seu ótimo papel na série “Boardwalk Empire”. 

Vale destacar ainda um surpreendente Chris Evans como o psicopata cínico e David Schwimmer usando barba e rabo de cavalo como o braço-direito do mafioso interpretado pela enésima vez por Ray Liotta. O longa tem ainda pequenas participações de James Franco e Stephen Dorff em sequências únicas, porém importantes para entender as atitudes do personagem principal. 

É interesse notar que a passagem do tempo entre os anos sessenta e oitenta é marcada principalmente pelo visual dos personagens, através de cortes de cabelo e roupas, uma escolha simples e eficaz. 

O resultado é um bom drama policial sobre um personagem de gelar a espinha.

Nenhum comentário: