quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Possuída & O Mistério da Libélula


Possuída (The New Daughter, EUA, 2009) – Nota 5
Direção – Luis Berdejo
Elenco – Kevin Costner, Ivana Baquero, Samantha Mathis, Gattlin Griffith, Erik Palladino, Noah Taylor, James Gammon.

Após ser abandonado pela esposa, o escritor John James (Kevin Costner) se muda para uma enorme casa numa comunidade rural levando sua filha adolescente Louisa (Ivana Baquero) e o filho pequeno Sam (Gattlin Griffith). A filha, que odeia o local, descobre um enorme monte de terra que se parece com um formigueiro gigante. Não demora para a garota começar a agir de forma estranha, o que faz John investigar e descobrir uma terrível história sobre o local.

O roteiro consegue reunir todos os clichês possíveis dos filmes de suspense e terror. Temos uma casa isolada, o personagem principal é um escritor, o envolvimento de duas crianças, a professora (Samantha Mathis) que flerta com o protagonista, ruídos sinistros, sustos no escuro, monstros que aparecem no terceiro ato, entre outros detalhes comuns ao gênero.

Kevin Costner não compromete, mesmo atuando no piloto automático, já a garota espanhola Ivana Baquero tem uma péssima atuação, totalmente caricata. Ela que trabalhou no ótimo “O Labirinto do Fauno”, escolheu um papel que em tese seria de um filme semelhante para sua estréia em Hollywood, porém errou feio na atuação.

O Mistério da Libélula (Dragonfly, EUA / Alemanha, 2002) – Nota 6
Direção – Tom Shadyac
Elenco – Kevin Costner, Kathy Bates, Susannah Thompson, Joe Morton, Ron Rifkin, Jacob Vargas, Matt Craven, Linda Hunt.

O médico Joe Darrow (Kevin Costner) perdeu num acidente a esposa Emily (Susannah Thompson) que também era médica e que participava de um trabalho voluntário no interior da Venezuela. Atormentado por ter discutido com a esposa antes dela partir e pelo corpo não ter sido encontrado, Joe passa a ter problemas no trabalho e acaba sendo obrigado por seu chefe (Joe Morton) a tirar férias para descansar. 

Ao invés de descansar, Joe fica ainda mais confuso quando passa a ver libélulas em todos os lugares e principalmente ao visitar uma criança que é sua paciente e que diz ter tido contato com Emily durante uma experiência de quase morte. O garoto diz que viu Emily e que está deseja enviar uma mensagem para o marido. 

Mesmo tendo sido produzido três anos depois, este longa bebe na fonte do sucesso de “O Sexto Sentido”, criando uma história sobre vida após a morte, contato com os mortos e até uma surpresa final, porém perde na comparação em questão de originalidade e na fraca direção de Tom Shadyac, sujeito especialista em comédias que resolveu se arriscar neste drama. 

É um filme que até pode emocionar as espectadoras menos exigentes e também aqueles que gostam de histórias espíritas que seguem o estilo das centenas de livros sobre o tema que vemos nas grandes livrarias. Como cinema é apenas razoável, nada mais do que isso.  

7 comentários:

Rodrigo Mendes disse...

Acho que o último grande filme do Costner foi mesmo Dança com Lobos. Ainda assim, O Mistério da Libélula é interessante.

Abs.

Kleiton Gonçalves disse...

Concordo com o Rodrigo, acima. Esses filmes citados os vi apenas para passar o tempo.

bruno knott disse...

Pois é Hugo, me lembro de ter assistido a este Mistério da Libélula na época do lançamento e acabei gostando. Depois de alguns anos revi e as irregularidades dele me chamaram a atenção. De fato, razoável...

Amanda Aouad disse...

Acho que o maior problema da direção em Mistério da Libélula é ficar tentando criar sustos na plateia, quando deveria concentrar no suspense mesmo. Eu gosto, tem suas fragilidades, mas acho um filme interessante ainda.

Possuída, não vi.

bjs

Hugo disse...

Rodrigo - Apesar de irregular, Costner trabalhou em alguns bons filmes como "Pacto de Justiça" e "Os Treze Dias que Abalaram o Mundo".

Kleiton - Nada mais do que isso.

Bruno - Até mesmo a surpresa final é um pouco exagerada.

Amanda - Possuída é bem fraco, não vale a sessão.

Abraço

Gustavo disse...

Esta aí um filme pouco lembrado, O Mistério da Libélula. Também acho que não é péssimo, mas é tão sem novidade! Não há nada no filme que seja forte o suficiente para causar uma impressão maior...

Hugo disse...

Gustavo - É um filme apenas mediano.