quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Um Método Perigoso

Um Método Perigoso (A Dangerous Method, Inglaterra / Alemanha / Canadá / Suiça, 2011) – Nota 7
Direção – David Cronenberg
Elenco – Michael Fassbender, Keira Knightley, Viggo Mortensen, Vincent Cassel, Sarah Gadon.

Em 1904 na Suiça, o psicanalista Carl Jung (Michael Fassbender) vê na jovem paciente Sabina Spielren (Keira Knightley) a chance de utilizar pela primeira vez a chamada “cura pela fala”, a controversa teoria desenvolvida por Sigmund Freud (Viggo Mortensen). 

Jung que ainda não conhece Freud pessoalmente, decide procurá-lo ao perceber que está tendo sucesso com Sabina. Jung e Freud começam uma amizade baseada na troca de experiências, que terá altos e baixos por causa da relação cada vez mais próxima entre Jung e Sabina, situação complicada entre médico e paciente. 

Esta incursão de David Cronenberg aos primórdios da psicanálise foca na disputa e nas diferenças de conceitos entre Jung e Freud, além da relação entre Jung e Sabina. O longa mostra Freud como um sujeito sério que acredita que todo distúrbio tem como causa algum desejo sexual reprimido, enquanto Jung se deixa levar pelas idéias do liberal Otto Gross (Vincent Cassel), que acreditava que o psicanalista deveria suprir a atração sexual que as pacientes sentem pelo médico. 

O roteiro é recheado de diálogos sobre as teorias dos dois mestres, fato que pode cansar quem não gosta do tema. Não faltam também os diálogos sobre temas sexuais e algumas cenas mais intensas, situações comuns na filmografia de Cronenberg, mesmo que aqui ele esteja mais contido do que nos seus trabalhos dos anos oitenta. 

Basicamente é um filme indicado para quem gosta de psicologia e de analisar os estranhos caminhos da mente humana.
   

5 comentários:

Marcelo keiser disse...

Geralmente aprecio os filmes de David Cronenberg (principalmente os menos convencionais como "Cosmópolis")mas esse é tão convencional que chegou a ser frustrante. Trata-se de um bom filme, embora esperasse mais... mesmo sem saber o que exatamente.

abraço

renatocinema disse...

Discordo do amigo Marcelo. Não achei frustante essa obra. Apesar de ver o filme como algo menor do diretor.

Achei razoável. Porém, assisti com uma super introdução na faculdade. Talvez tenha feito a diferença.

abs

Hugo disse...

Marcelo - Realmente é o filme mais comum de Cronenberg, mas é interessante para quem gosta de psicologia.

Renato - Gostar do tema é fundamental para apreciar melhor o filme.

Abraço

Kleiton Gonçalves disse...

Há. Tb já escrevi uma mini resenha sobre esse filme: http://kleitongoncalves.blogspot.com.br/2013/03/um-metodo-perigoso-2011.html

Abraços!

Hugo disse...

Kleiton - Em seguida visitarei sua postagem.

Abraço