quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Duro de Matar: Um Bom Dia Para Morrer

Duro de Matar: Um Bom Dia Para Morrer (A Good Day To Die Hard, EUA, 2013) – Nota 5,5
Direção – John Moore
Elenco – Bruce Willis, Jai Courtney, Sebastian Koch, Yulia Snigir, Rasha Bukvic, Cole Hauser, Amaury Nolasco.

O veterano policial John McClane (Bruce Willis) recebe a notícia de que seu filho Jack (Jai Courtney) está preso no Rússia e prestes a ser condenado. McClane que não vê o filho há anos, decide ir até Moscou para saber o que ocorreu e acaba entrando no meio de uma violenta guerra. O palácio de justiça é atacado e seu filho foge levando um preso político (o alemão Sebastian Koch de “A Vida dos Outros”), sendo perseguido pelo violento grupo. Lógico que o velho McClane entrará na confusão para ajudar o filho. 

É triste ver uma série tão legal ser transformada num amontoado de clichês por um diretor que pensa estar comandando um video clipe. A exagerada quantidade de cortes e o ritmo frenético das cenas de ação seguem o estilo criado por Michael Bay, onde o absurdo é a lei e a trama apenas um detalhe. 

Além da trama ser ruim, a impressão é que as cenas de ação foram elaboradas pensando em um filme de super herói como Homem-Aranha ou Homem de Ferro, já que o personagem de Willis falta apenas voar. 

Se o quarto filme surpreendeu por atualizar o personagem e a série sem apelar para o exagero, este quinto longa parece ter sepultado a carreira de John McClane.  

5 comentários:

Maxwell Soares disse...

Esse, ainda, não vi, rapaz. Gostei quando você disse que só falta mesmo é voar para Bruce Willis. Fiquei curioso, agora, para vê-lo. No mais um abraço...

Marcelo keiser disse...

Fiquei decepcionado com esse filme. O mais fraco da franquia e absolutamente o menos engraçado de todos. A ironia está na impressão de que justamente tentaram fazer quase que uma comédia com Bruce Willis. Detalhe: sem graça nenhuma!

abraço

Silvia Freitas disse...

Acho que já passou a hora de encerrar, mas já ouvi dizer em mais um filme. Infelizmente, estão cada vez mais fracos. Esse aí foi forçação de barra ao último grau.
Abraços!

Amanda Aouad disse...

Realmente, esse foi um lamentável capítulo de uma série que começou tão legal. A parte da usina nuclear, então... Sem comentários.

bjs

Hugo disse...

Maxwell - As cenas de ação são exageradas e a trama muito fraca.

Marcelo - Essa é a impressão, uma paródia que não deu certo.

Silvia - Vai ser difícil reerguer a série, principalmente na questão de qualidade. Seria necessário um bom diretor e um roteiro bem diferente.

Amanda - O roteiro é tão absurdo que enfiaram até a tragédia de Chernobil na trama.

Abraço