segunda-feira, 24 de junho de 2013

O Resgate

O Resgate (Stolen, EUA / Suécia, 2012) – Nota 5
Direção – Simon West
Elenco – Nicolas Cage, Josh Lucas, Danny Huston, Malin Akerman, Sami Gayle, M. C. Gainey, Mark Valley, Barry Shabaka Henley.

Em todo filme que assisto procuro destacar os pontos positivos e também não faço parte da turma que odeia determinado ator ou atriz. Cito estes fatos para comentar “O Resgate”, mais um filme de Nicolas Cage que foi detonado pelos críticos. Nos últimos anos, Cage fez várias escolhas ruins em meio a poucos bons filmes, resultando numa antipatia de boa parte do público pelo ator. Alguns destes filmes ruins até chegavam a divertir, porém fica difícil encontrar algo de bom neste “O Resgate”. 

O longa começa com um grupo de ladrões se preparando para roubar um banco, tendo Will Montgomery (Nicolas Cage) como mentor do plano. Um desentendimento entre Will e seu parceiro Vince (Josh Lucas) estraga o plano e faz com que Will seja preso pelo FBI. Após oito na cadeia, Will consegue a liberdade e no mesmo dia é perseguido pelo agente do FBI Harlend (Danny Huston) que deseja descobrir o local onde ele teria escondido o dinheiro do assalto. Para piorar a situação, Will é rejeitado pela filha adolescente (Samy Gayle), que em seguida é sequestrada pelo ex-parceiro que também deseja a grana. 

A trama é clichê puro, o que não impediria de render pelo menos um filme bem amarrado, mas infelizmente o roteiro é um dos piores dos últimos anos. São vários furos na trama, situações em que o espectador não precisa pensar muito para ver que são absurdos, como a estupidez total dos agentes do FBI, incluindo o personagem de Danny Huston usando um chapéu idêntico ao que o personagem Popeye Doyle interpretado por Gene Hackman usou no clássico “Operação França”. O que era interessante quarenta anos atrás, aqui se tornou ridículo. 

O vilão então é um dos personagens mais bizarros dos últimos anos, na minha opinião uma grande vergonha para a carreira do outrora promissor Josh Lucas. Temos ainda a coitada da personagem interpretada pela garota Sami Gayle, atriz do seriado “Blue Bloods”, que aqui passa quase todo o filme trancada no porta-malas de um táxi. 

Finalizando, ainda sobra espaço para um diálogo em sueco entre Cage e Malin Akerman, fato que tem como única explicação ser o filme uma co-produção sueca. 

O resultado é totalmente descartável e mais erro na irregular carreira de Cage.    

5 comentários:

Kamila disse...

Incrível como o Nicolas Cage parece que perdeu a habilidade de acertar. Mas, ninguém pode dizer que ele não tenta. Acho que o erro dele é insistir nos filmes de ação. Porém, como Simon West é um diretor bem sólido neste gênero, pelo menos nesse quesito, "O Resgate" não deve decepcionar.

Marcelo keiser disse...

A parceria de Cage/West funcionou melhor em "Con Air - A Rota da Fuga". Bem melhor...

abraço

Alan Raspante disse...

Alguém podia parar Nicolas Cage. Pelo amor...

Emerson disse...

A crítica foi perfeita Hugo, não preciso falar mais nada.

Abraço!!!

Hugo disse...

Kamila - Simon West fez filmes melhores, com certeza.

Marcelo - Con-Air é um filmaço, mesmo tendo um roteiro absurdo, compensa pela ótima ação e o elenco de primeira.

Alan - Ele precisa escolher melhor.

Emerson - Poderia ser um filme bem melhor.

Abraço