segunda-feira, 17 de junho de 2013

Fogo no Céu & A Invasão


Fogo no Céu (Fire in the Sky, EUA, 1993) – Nota 7
Direção – Robert Lieberman
Elenco – D. B. Sweeney, Robert Patrick, Peter Berg, Craig Sheffer, Bradley Gregg, James Garner, Noble Willinghan, Henry Thomas, Kathleen Wilhoite.

Em 1975, numa pequena cidade do Arizona, seis lenhadores retornam para casa em uma caminhonete quando uma forte luz aparece próxima a estrada. Eles param o veículo e um dos ocupantes, Travis Walton (D. B. Sweeney), decide descer para chegar mais perto da luz. Um enorme clarão surge e Walton desaparece. Desesperados, os amigos voltam para a cidade e avisam a polícia sobre a estranha ocorrência. A absurda situação faz os policiais (James Garner e Noble Willingham) acreditarem que os sujeitos mataram o amigo e estão tentando encobrir o fato. Os cinco homens são acusados de assassinato, porém para supresa geral, Travis Walton reaparece após cinco dias alegando ter sido abduzido. 

Baseado no livro do próprio Travis Walton, que relatou sua inexplicável experiência que se tornou um dos mais famosos casos de abdução da história, este filme é um interessante suspense misturado com drama e ficção indicado para os fãs do gênero. 

A primeira parte é mais voltada para o suspense, começando com a cena da abdução e seguindo pelo inferno que se torna a vida dos cinco acusados, que inclusive fizeram o teste do polígrafo que comprovou que eles estavam dizendo a verdade. Quando Travis Walton retorna da nave,  a história vai mais para o lado do drama com a repercussão do caso e assusta ao mostrar as cenas das experiências em que os alienígenas teriam submetido Walton. O verdadeiro Travis Walton não gostou destas sequências, que foram filmadas de modo diferente aos seu relatos. 

O resultado é um interesssante filme que fez algum sucesso no cinema pegando carona um pouco também no sucesso de “Arquivo X” que estava na primeira temporada na tv.    

A Invasão (The Arrival, EUA, 1996) – Nota 7
Direção – David Twohy
Elenco – Charlie Sheen, Ron Silver, Lindsay Crouse, Teri Polo, Richard Schiff.

O astrônomo Zane Zaminsky (Charlie Sheen) trabalha em um grande observatório e durante suas análises decobre um sinal vindo de anos luz da Terra. Para Zane é a comprovação de que existe vida fora da Terra, mas logo que informa a descoberta para seu superior (Ron Silver), acaba demitido e colocado numa espécie de lista negra. Obcecado em ir a fundo na história, Zane cria uma forma de captar os sinais através de antenas de tv e descobre que um sinal semelhante vem do México, local para onde ele segue e encontra uma cientista (Lindsay Crouse) que também acredita que algo fora do normal está para ocorrer. 

Esta competente ficção com trama de filme B foi uma grata surpresa na época, ao criar um clima de suspense constante com boas sequências e uma grande conspiração, fato comum aos longas do gênero. 

Charlie Sheen deu conta do recado como o herói por acaso e o falecido Ron Silver deixou mais uma vilão em sua carreira. 

O diretor e roteirista David Twohy fez outros bons filmes de ficção e suspense de baixo orçamento, como “Eclipse Mortal” e “Submersos”. 

Como curiosidade, “A Invasão” teve uma sequência em 1998 com outro elenco e diretor.

4 comentários:

Suzane Weck disse...

Ola caro amigo,como ainda não vi nenhum destes dois filmes,vou valer-me da tua dica para tentar assistir no próximo fim de semana.Grande abraço.SU

Marcelo Leite disse...

"Fogo no Céu" é um dos melhores filmes sobre "ets" já feitos; as cenas do protagonista dentro da nave são sensacionais! Um dos filmes que jamais esquecerei!

Marcelo keiser disse...

Esse diretor e roteirista David Twohy que roteirizou "A Invasão", se fez ao dirigir “Eclipse Mortal”, mas errou feio em "Riddick" (que por sinal, vem vindo uma sequência por aí). "Fogo no Céu" eu não assisti, mas a invasão é bem interessante, considerando a época em que foi feito.

abraço

Hugo disse...

Suzane - Se você gosta, são duas boas opções.

Marcelo - Estas sequências são realmente assustadoras.

Marcelo - Ao que parece o diretor trabalha melhor com filmes pequenos. Realmente "A Batalha de Riddick" ficou abaixo do esperado e era uma grande produção.

Abraço