sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Super Size Me - A Dieta do Palhaço

Super Size Me – A Dieta do Palhaço (Super Size Me, EUA, 2004) – Nota 7
Direção – Morgan Spurlock
Documentário com Morgan Spurlock

O então desconhecido Morgan Spurlock escolheu um curioso tema para seu primeiro documentário e se transformou na própria cobaia do seu experimento. 

Para comprovar os efeitos maléficos do excesso de consumo de fast food, Morgan decidiu encarar um desafio: Durante trinta dias ele faria todas as suas refeições no McDonald’s, sendo obrigado a ainda a aceitar o tamanho grande dos produtos quando estes fossem oferecidos. Antes de começar a maratona, Morgan passou por exames com vários especialistas e detectou que sua saúde estava boa, porém após os trinta dias de excessos, o quadro mudou consideravelmente, para pior, é claro. 

O resultado da experiência era mais do que esperado, o que vale são outras questões envolvidas. Morgan com certeza viu nesta loucura a chance de conseguir uma carreira, o que deu certo, já que o documentário fez sucesso e abrir as portas para novos trabalhos. Como o McDonald’s é uma espécie de Papa dos fast foods, a escolha da empresa foi de extrema inteligência. A marca por si só já chamaria atenção em virtude do marketing agressivo que a empresa pratica, fato que Morgan utilizou a seu favor e que transformou num marketing negativo para empresa, que foi obrigada a fazer alterações no seu cardápio, mesmo que tenham sido mais ações para minimizar o prejuízo da marca do que para melhorar a qualidade da comida. 

O documentário em si é apenas interessante, as poucas citações fora da questão do McDonald’s são uma comparação da alimentação oferecida entre duas escolas, uma particular e outra para jovens delinquentes, fato que apresenta uma resposta diferente do que se poderia imaginar e alguns comentários sobre como o marketing influencia as pessoas a consumir, principalmente os jovens, sem se importar com a qualidade do está sendo oferecido. 

Como curiosidade um pouco sinistra, Morgan coloca algumas batatinhas fritas do McDonald’s em um pote fechado e após semanas elas continuam intactas. É melhor nem imaginar o tipo de conservante utilizado naquelas batatas e qual a reação daquilo no organismo humano.

9 comentários:

Amanda Aouad disse...

É melhor não imaginar mesmo, acho que nunca vi esse documentário exatamente para não perder a coragem de ir na McDonald´s, hehehe.

bjs

Rodrigo Mendes disse...

Fui ao Mc outras vezes mesmo depois de ter assistido ao filme, rs! Mas é sinistro mesmo! Nem como direto, mas socialmente! rs

Abs.

! Marcelo Cândido ! disse...

Esse filme dá vontade de vomitar
kkk

Gonga disse...

Eu gostei do documental mas penso que toda a gente ja sabe que comer no MC engorda, nao era necessario fazer um filme disso.

d é h disse...

Eu sempre quis assistir esse documentário! Ainda mais porque nesses últimos tempos tenho consumido muito fast food...Acho que está na hora de parar. rs

Abraço.

Nani disse...

Eu vi esse documentário muito tempo atrás na escola. No começo fiquei muito impressionada e no começo não queria nem ouvir falar da Mc! Maaans, hoje em dia não resisto a um McFlurry. Porém uma coisinha pelo menos ficou implantada na minha cabeça: nunca peço o tamanho grande.

Hugo disse...

Amanda - As batatas "indestrutíveis" assustam qualquer um.

Rodrigo - A maioria das pessoas já esqueceram do doc.

Marcelo - Em algumas sequências com certeza.

Gonga - Como citei no texto, o diretor tinha o interesse de começar a carreira e foi esperto por escolher um tema polêmico, mesmo que fosse sem surpresas.

Déh - São poucas as pessoas não comem fast food.

Nani - Não tem jeito, é quase impossível deixar as chamadas "guloseimas" de lado.

Abraço a todos

Silvia Freitas disse...

Esse filme é um soco no estômago para os fãs dessa lanchonete. E o pior que eu fiz essa dieta do palhaço, qdo mais nova. Era magrela demais, e comia todo o final de semana o lanche. Foi o suficiente pra eu começar a engordar, acredita? Credo!
Bjsss

Hugo disse...

Silvia - Excesso de lanches com certeza faz engordar, principalmente estes que são calóricos e gordurosos.

Até mais