quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Ardida Como Pimenta & Sete Noivas Para Sete Irmãos


Ardida como Pimenta (Calamity Jane, EUA, 1953) – Nota 7
Direção – David Butler
Elenco – Doris Day, Howard Keel, Ally Ann McLerie, Philip Carey, Dick Wesson, Paul Harvey.

Na cidade do oeste americano chamada Deadwood, Jane Calamidade (Doris Day) se veste e age como homem, enfrentando índios e contando vantagem para os homens. Após uma confusão no pequeno teatro da cidade, ela promete trazer para um próximo show uma atriz famosa e para isso viaja até Chicago atrás da moça. Por engano, a camareira da atriz, Katie Brown (Ally Ann McLerie) se faz passar pela estrela e viaja com Jane até a pequena Deadwood para se apresentar. No local, ela despertará a paixão de Wild Bill Hickok (Howard Keel) e do Tenente Gilmartin (Philip Carey) e também o ciúme de Jane que é apaixonada pelo Tenente. 

O longa é um faroeste musical romântico, que mistura tiros, paixões e música de forma agradável e tem na interpretação de Doris Day outro ponto forte. Ela canta e dança em sequências bem coreografadas. 

Um filme simpático até para quem não é fã de musicais.

Sete Noivas Para Sete Irmãos (Seven Brides for Seven Brothers, EUA, 1954) – Nota 7,5
Direção – Stanley Donen
Elenco – Howard Keel, Jane Powell, Jeff Richards, Russ Tamblyn, Tommy Rall, Julie Newmar.

Adam Pontipee (Howard Keel) é o mais velho de sete irmãos que vivem em uma cabana nas montanhas. Num certo dia, Adam decide ir para a cidade comprar mantimentos, utensílios e encontrar uma esposa. Ele consegue convencer Milly (Jane Powell) pra ser sua esposa, porém não conta que tem seis irmãos. Ao descobrir a verdade, Milly tenta domesticar os rústicos irmãos, até incentivá-los a arrumarem esposas, nem que tenham de sequestrar garotas. 

Dois anos após comandar o clássico “Cantando na Chuva” em parceira com Gene Kelly, o diretor Stanley Donen utilizou seu talento para criar este western musical inusitado, com coreografia do grande Michael Kidd. As sequências musicas estão entre as melhores do cinema, misturando história de amor e comédia na medida certa. 

Como curiosidade, o jovem Russ Tamblyn seria um dos protagonistas de outra musical sensacional, o clássico “Amor, Sublime Amor”.

6 comentários:

Gilberto Carlos disse...

Dois filmes inesquecíveis. O meu preferido é Sete noivas para sete irmãos. Para ver e rever. Abraços.

Fabiane Bastos disse...

Assistimos "Sete Noivas" no blog, um dos filmes mais adoravelmente estranhos que passaram por la. Irresistível com todos aqueles brutamontes cantando sobre sentimentos enquanto fazem coreografias incríveis.

Att...

Jefferson C. Vendrame disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jefferson C. Vendrame disse...

Grande Hugo, como vai?
Vergonhosamente confesso; até hoje nunca assisti esses dois clássicos!
Preciso adquiri-los o maia rápido possível.

Grande abraço!

Paulo Telles - Editor disse...

Dois grandes musicais, e ambos estrelados por Howard Keel, que embora não fosse um grande intérprete como ator, mas tinha estatura e um vozeirão de tenor, adequado para os antigos musicais da MGM. Parabéns pela reminiscência. Abraços.

Hugo disse...

Gilberto - Sete Noivas tem coreografias mais legais.

Fabiane - Foi uma ideia bem original.

Jefferson - Você que adora clássicos. Sei que logo você assistirá.

Paulo - Howard Keel é um dos muitos astros antigos que ficaram praticamente esquecidos.

Abraço