segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Alta Frequência & Vozes do Além



Alta Frequência (Frequency, EUA, 2000) – Nota 7,5
Direção – Gregory Hoblit
Elenco – Dennis Quaid, Jim Caviezel, Andre Braugher, Elizabeth Mitchell, Noah Emmerich, Shawn Doyle.

John Sullivan (Jim Caviezel) é um policial que sofre por não ter convivido com o pai, o bombeiro Frank (Dennis Quaid), que morreu em um incêndio quando John tinha poucos anos. Quase trinta anos depois da trágica morte, John que mora na mesma casa que fora do pai, encontra um velho rádio amador no porão. Ao ligar o rádio, John consegue contato com uma voz que diz ser de um bombeiro e rapidamente ele liga os fatos e descobre estar falando com o próprio pai. 

Por algum motivo fora do comum, pai e filho conseguem contato pelas ondas do rádio mesmo estando com um distância de trinta anos. O fato faz com que John tente alertar o pai sobre o acidente fatal, porém ele não imagina que evitar o acidente mudará o curso de vários situações, com consequências até nos dias atuais. 

Esta interessante e fantasiosa história prende o espectador com um roteiro bem amarrado, que de início parece ser um drama ao mostrar a aproximação de pai e filho através do rádio e a descoberta de gostos parecidos, mas aos poucos se transforma num thriller. 

Vale destacar as boas atuações de Jim Caviezel e Dennis Quaid, além da direção de Gregory Hoblit, responsável por bons filmes como “Possuídos” e “Um Crime de Mestre” e que começou a carreira na tv dirigindo ótimas séries como “Nova York Contra o Crime” e “Hill Street Blues”.   

Vozes do Além (White Noise, EUA, 2005) – Nota 6
Direção – Geoffrey Sax
Elenco – Michael Keaton, Deborah Kara Unger, Chandra West, Ian McNeice.

O arquiteto Jonathan Rivers (Michael Keaton) está casado e feliz com sua segunda esposa, a escritora Anna (Chandra West), até que um certo dia ela desaparece na beira de um rio, deixando apenas seu carro abandonado. Depois de algum tempo um homem (Ian McNeice) procura Jonathan dizendo que Anna morreu e está tentando se comunicar. A princípio Jonathan não acredita, mas após alguns acontecimentos estranhos, ele resolve procurar o homem e descobre que o sujeito tenta se comunicar com os mortos através de aparelhos eletrônicos. 

Partindo da ideia de que existe um mundo depois da morte e os que lá estão querem se comunicar com o lado de cá, a história trabalha com a técnica que alguns especialistas acreditam ser a melhor forma de comunicação nestes casos, utilizando rádios e tvs mal sintonizadas para tentar captar mensagens do além. 

O longa começa interessante, com suspense e alguns sustos, mas a partir da metade da história o roteiro se torna confuso, misturando mensagens enviadas pelos mortos com outras enviadas por pessoas ainda vivas que estão em perigo, culminando num desfecho frio e pouco convincente.


3 comentários:

Celo Silva disse...

Lembro que na época gostava bastante de Alta Frequência, teria q rever. Vozes não curto muito.

Gilberto Carlos disse...

Dois filmes com tema sobrenatural muito interessantes. Vozes do além é mais criticado, já que todo mundo odeia o Michael Keaton. Não sei o porque.

Hugo disse...

Celo - Alta Frequência é superior.

Gilberto - Esta rejeição com Michael Keaton surgiu pelos fãs de Batman que não aceitaram a escolha do ator para viver o herói na versão de Tim Burton em 1989.

Abraço