terça-feira, 18 de setembro de 2012

Um Novato na Máfia

Um Novato na Máfia (The Freshman, EUA, 1990) – Nota 7
Direção – Andrew Bergman
Elenco – Marlon Brando, Matthew Broderick, Penelope Ann Miller, Bruno Kirby, Frank Whaley, Maximilian Schell, Jon Polito, Richard Gant, Kenneth Weslh, BD Wong.

Clark Kellog (Matthew Broderick) é um jovem estudante de cinema que após ter sido roubado, não sabe o que fazer. Por acaso, ele encontra numa estação de trem um sujeito chamado Carmine Sabatini (Marlon Brando) que se apresenta como alguém que trabalha com importação. Após trocarem algumas palavras, Clark recebe uma irrecusável proposta de trabalho, sem saber que o homem é um chefão mafioso que vive do contrabando de espécies em extinção para serem usadas como iguarias num restaurante chique. Para piorar a situação, Clark se envolve com a bela Tina (Penelope Ann Miler), filha de Carmine. 

O diretor e roteirista Andrew Bergman rodava por Hollywood desde os anos setenta, tendo dirigido apenas a simpática comédia “Amor na Medida Certa” com Ryan O’Neal em 1991, quando conseguiu levar as telas este longa baseado num roteiro de sua própria autoria. 

A história é quase uma sátira ao clássico “O Poderoso Chefão”, com Brando fazendo graça ao interpretar uma nova versão de Don Corleone, com a curiosidade do longa ter sido lançado no mesmo ano em que Coppola produziu a parte final da trilogia original. O fato pode ser visto como uma tentativa dos produtores de lucrar na cola do clássico de Coppola e ao mesmo tempo uma espécie de desconstrução de um dos maiores personagens da história do cinema com o aval do próprio criador, o grande maluco Marlon Brando. 

O filme é divertido, são várias cenas que satirizam os filmes sobre a Máfia, inclusive tirando sarro do chamado “beijo da morte”, aqui numa estranha cena onde Brando lasca um beijo em Broderick, que fica perplexo. A atuação de Broderick como o mafioso por acaso é perfeita para seu tipo de moleque atrapalhado. 

Como curiosidade, o longa deixou famoso também o estranho “Dragão de Komodo”, um misto de crocodilo com lagarto que tem uma divertida cena e que depois se transformou em grande atração do Discovery Channel.

4 comentários:

renatocinema disse...

Lembro de ter visto na época do lançamento.....acho que algumas obras não podem ser satirizadas.

Sou chato. mas, acredito nisso.

Gilberto Carlos disse...

Assisti na Sessão da Tarde. Um grande encontro do mestre Marlon Brando com o novato Matthew Broderick.

Celo Silva disse...

Nossa, faz tempo que assisti, lembro que é um filme no minimo divertido.

Hugo disse...

Renato - O filme não chega a ser uma sátira debochada, é quase uma homenagem aos filmes sobre a Máfia. O resultado é agradável.

Gilberto - Na época Broderick era um dos grandes nomes do cinema.

Celo - Divertido e simpático.

Abraço