sábado, 8 de setembro de 2012

Nova York - Uma Cidade em Delírio

Nova York – Uma Cidade em Delírio (Bright Lights, Big City, EUA, 1988) – Nota 6
Direção – James Bridges
Elenco – Michael J. Fox, Kiefer Sutherland, Phoebe Cates, Swoosie Kurtz, Frances Sternhagem, Jason Robards, Tracy Pollan, Charlie Schlatter, Dianne Wiest, John Houseman, William Hickey, Sam Robards.

Jamie Conway é um jovem aspirante a escritor que sai do Kansas para tentar a sorte em Nova York. Ele consegue emprego numa revista, onde a princípio parece ser um ótimo aprendizado para carreira, porém sua vida se complica quando ele cede as tentações da cidade grande. Em pouco tempo ele perde a esposa (Phoebe Cates) que o abandona e a mãe (Dianne Wiest) que morre. Este dois fatos, junto com a pressão para o sucesso na carreira, faz com que Jamie se entregue as bebidas e as drogas. 

Este drama foi um produção esperada com certa ansiedade em virtude de ser baseada num livro de Jay McInerney, que junto com Brett Easton Ellis, foram considerados os dois que melhor escreveram sobre a vida dos yuppies de Nova York. 

Infelizmente quando lançado, o filme teve críticas ruins, sendo um dos motivos a escolha de Michael J. Fox para o papel principal. Por seus papéis anteriores, Fox tinha fama de bom moço, o que não se encaixava com um personagem drogado e que acabou se comprovando, já que as cenas em que ele está sob o efeito das drogas não convencem. 

O filme no todo é razoável, ele se passa num momento específico de Nova York, durante a ascensão dos yuppies que enriqueceram na época e a entrada destes num mundo recheado de bebidas, drogas (principalmente cocaína) e mulheres. 

Vale destacar a pequena e não creditada participação de Jason Robards como um roteirista alcoólatra e de Kiefer Sutherland como um amigo do protagonista. 

Como curiosidade, a atriz Tracy Pollan que teve um papel de coadjuvante é a esposa de Michael J. Fox.    

3 comentários:

renatocinema disse...

A escolha as vezes mata. Eu não conhecia o filme e lendo seu texto acredito que o filme fracassou pela escolha do ator mesmo.

Bom ator, mas, conhecido realmente como bom moço.

Celo Silva disse...

Taí um filme oitentista que não conhecia, vou procurar.

Hugo disse...

Renato - A narrativa também não é das melhores.

Celo - Vale como curiosidade.

Abraço