quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Tão Forte e Tão Perto

Tão Forte e Tão Perto (Extremely Loud & Incredibly Close, EUA, 2011) – Nota 7,5
Direção – Stephen Daldry
Elenco – Tom Hanks, Sandra Bullock, Thomas Horn, Max Von Sydow, John Goodman, Viola Davis, Jeffrey Wright, Zoe Caldwell.

Oskar Schell (Thomas Horn) é um garoto inteligente, que tem algumas manias e que fala como adulto. Sua relação extremamente próxima com o pai (Tom Hanks) é cortada repentinamente pelos ataques de onze de setembro. A mãe (Sandra Bullock) não consegue se aproximar do filho, que sente a falta do pai, que tinha o hábito de criar desafios para o garoto. Quando Oskar encontra uma chave e o nome “Black” em um envelope, ele acredita ser um pista deixada pelo pai, assim decide procurar pela cidade o que a chave abriria. 

Este sensível drama do diretor inglês Stephen Daldry é um pouco inferior a seus outros trabalhos como “Billy Elliott” e “O Leitor”, mas mesmo assim a busca do garoto Oskar prende a atenção. O roteiro tem boas ideias, como mostrar a ligação entre os personagens do garoto Oskar e do veterano personagem de Max Von Sydow, que passaram por terríveis tragédias. Por sinal, Von Sydow tem outra interpretação marcante na carreira, mesmo com um personagem que não fala uma palavra sequer. Já as presenças de Tom Hanks e Sandra Bullock são pequenas em relação ao garoto Thomas Horn, que na realidade é o personagem principal. 

O filme dividiu opiniões, mas no geral é um bom drama.   

8 comentários:

Thomás R. Boeira disse...

Achei o filme mediano. Bem longe de ser um dos melhores filmes do ano, como a Academia quis apontar no Oscar desse ano.

Abraço,
Thomás
http://brazilianmovieguy.blogspot.com.br/

Celo Silva disse...

Ainda não vi, mas foi um filme que não me motivou em nada a assistir.ustaed

Érick disse...

Gostaria que você desse sua opinião sobre o filme, The Love of Siam.

Amanda Aouad disse...

Max Von Sydow está mesmo ótimo. Gosto do filme, achei bastante sensível. Pode pesar a mão em algum momento, exagerar na atitude da mãe ausente, esquecer detalhes racionais, mas consegue nos envolver em uma emoção autêntica que não é nossa, mas faz todo o sentido.

bjs

Gonga disse...

Curiosamente nao vi este filme me pareceu um pouco brega mas pelos vistos vale a pena.

Hugo disse...

Thomás - A academia gosta de tipo de drama, mesmo sendo apenas mediano.

Celo - É um filme interessante, mas não está entre os melhores trabalhos de Daldrey.

Érick - Valeu pela dica, vou pesquisar sobre este filme, pois não conheço.

Amanda - Max Von Sydow é sempre competente.

Gonga - Se não exigir muito, você irá gostar.

Abraço a todos.

J. BRUNO disse...

Concordo com você que ele não alcança o mesmo nível de qualidade de outras obras do Stephen Daldry, no entanto eu achei que ele foi muito injustiçado pela crítica, eu gostei muito dele, das atuações, do roteiro e principalmente a visão infantil que ele dá para o atentado...

http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/2012/09/habemus-papam.html

Hugo disse...

J. Bruno - Também concordo que o filme não merecia tantas críticas ruins.

Abraço