terça-feira, 1 de maio de 2012

As Bruxas de Salem

As Bruxas de Salem (The Crucible, EUA, 1996) – Nota 8
Direção – Nicholas Hytner
Elenco – Daniel Day Lewis, Winona Ryder, Paul Scofield, Joan Allen, Bruce Davison, Rob Campbell, Jeffrey Jones, Peter Vaughan, Charlayne Woodard, Francis Conroy, Elizabeth Lawrence, George Gaynes, Mary Pat Gleason.

Em 1862, no povoado de Salem em Massachussets, algumas adolescentes participam de um ritual na floresta comandado pela escrava Tituba (Charlayne Woodard). O objetivo das jovens é fazer os homens se apaixonarem por elas, porém uma destas garotas é Abigail (Winona Ryder), que deseja reatar seu romance com John Proctor (Daniel Day Lewis), que é casado com Elizabeth (Joan Allen), porém John se arrepende da traição e não deseja se aproximar novamente de Abigail. 

O ritual acaba sendo visto pelo pastor Parris (Bruce Davison) e algumas garotas com medo da situação, ficam catatônicas na cama no dia seguinte. Parris acredita ser consequência de um bruxaria, sendo apoiado pelo Sr. Putnam (Jeffrey Jones) e sua esposa beata (Francis Conroy). Juntos resolvem chamar um especialista em demônios (Rob Campbell), dando início a uma terrível caça às bruxas, onde várias pessoas são acusadas de bruxaria em virtude de rusgas pessoais, tendo de enfrentar o tribunal do arrogante Juiz Danforth (Paul Scofield). 

Este interessante drama é baseado numa peça de Arthur Miller, que por sinal se baseou em acontecimentos reais ocorridos em Salem, onde diversas pessoas foram enforcadas acusadas de terem pacto com o demônio. Miller escreveu a peça nos anos cinquenta, como uma parábola ao “Macarthismo”, que foi “caça às bruxas” da época, quando políticos americanos perseguiam comunistas e aqueles que eram acusados de serem antiamericanos. 

A direção do inglês Nicholas Hytner (do ótimo “As Loucuras do Rei George”) cria com perfeição um clima de medo e revolta entre os que achavam aquilo um absurdo e uma espécie de delírio coletivo do povo em busca de vingança, principalmente na histeria adolescente comandada por Winona Ryder, na bela interpretação da jovem falsa e vingativa. 

O restante do elenco é ótimo, com Daniel Day Lewis competente como sempre, além de Joan Allen como a esposa fria e o veterano Paul Scofield como exemplo da arrogância de quem tem o poder. 

5 comentários:

Amanda Aouad disse...

Gosto bastante desse filme, pelo menos é a lembrança que tenho, acho que preciso revê-lo...

bjs

Celo Silva disse...

Bom filme, grande momento de Day Lewis, qt de Winona. Preciso rever tb.

Marcelo keiser disse...

Esse filme da a noção exata do periodo da caça as bruxas ocorrido principaçlmente em Salem, parte de uma história que expandiu-se por outros cantos do mundo. O filme é ótimo, pelo conjunto e pela mensagem de devoção exemplificada.

abraço

Gilberto Carlos disse...

Adoro Winona Ryder. Gostei desse filme que vi no Intercine da Globo.

Hugo disse...

Amanda - Eu demorei muito tempo para assistir e gostei.

Celo - Daniel Day Lewis sempre acerta na interpretação.

Marcelo - É uma história que pode ser comparada com vários outros tipos de perseguição que aconteceram em diferentes épocas.

Gilberto - Winona é boa atriz, pena que nos últimos anos se perdeu um pouco nas escolhas e também na vida pessoal.

Abraço a todos