domingo, 8 de abril de 2012

O Céu Que Nos Protege

O Céu Que Nos Protege (The Sheltering Sky, Inglaterra / Itália, 1990) – Nota 7
Direção – Bernardo Bertolucci
Elenco – Debra Winger, John Malkovich, Campbell Scott, Jill Bennett, Timothy Spall, Paul Bowles.

Após o final de Segunda Guerra, o casal Kit (Debra Winger) e Porter (John Malkovich) viaja para o Norte do África levando o jovem Tunner (Campbell Scott). Logo que chegam à África percebemos que a relação do casal está desgastada, enquanto Porter sai sozinho pela cidade e se encontra com uma prostituta, Kit é cortejada por Tunner e ao que parece logo cederá aos seu encantos. A situação fica ainda mais complicada quando Porter fica doente numa pequena cidade no meio do deserto, para desespero de Kit. É o início de uma drástica mudança no pensamento da esposa. 

É um filme interessante, porém com altos e baixos. São vários pontos positivos, a boa história, as magníficas interpretações de Winger e Malkovich, a belíssima fotografia de Vitorio Storaro, colaborador habitual de Bertolucci, que capta com maestria as imagens do deserto e a trilha sonora de Ryuichi Sakamoto. 

Por outro, a lentidão de diversas passagens e principalmente a parte final do longa, em torno de quarenta minutos que ao meu ver são desnecessários, deixam a impressão do filme ser mais longo do que realmente é, diminuindo a força da história. 

5 comentários:

Alan Raspante disse...

Não sabia que era do Bertolucci este filme. Fiquei até curioso, mas pelo visto deve ser bem cansativo mesmo... Bem, quem sabe qualquer hora dessas...

disse...

Gostei bastante do visual e da interpretação de Malkovich. Também achei a parte final meio cansativa. Deveria ter terminado logo após o clímax.
Abraços!

Hugo disse...

Alan - O diretor exagera ao alongar a trama.

Lê - Com certeza, a parte final é desnecessária.

Abraço

Alysson Mello disse...

Ainda não vi mais a sinopse nao me pareceu tão interessante, mas como não sou de criticar aquilo que nao vi eu posso dar um voto de confiança e assistir ao filme!

Hugo disse...

Alysson - É um filme lento que vale pelos atores e a bela fotografia, mas a parte final é cansativa e desnecessária.

Abraço