sábado, 17 de março de 2012

A Estranha Perfeita & A Cor da Noite


A Estranha Perfeita (Perfect Stranger, EUA, 2007) – Nota 6
Direção – James Foley
Elenco – Halle Berry, Bruce Willis, Giovanni Ribisi, Richard Portnow, Gary Dourdan, Nicki Aycox, Patti D’Arbanville.

A jornalista Rowena Price (Halle Berry) entra em atrito com o jornal onde trabalha quando sua reportagem sobre um senador envolvido em um escândalo é cortada. Na mesma noite ela é procurada por um conhecida (Nicki Aycox), que parece ter algo pendente com Rowena e pede para que a jornalista investigue o publicitário milionário Harrison Hill (Bruce Willis), com quem ela teria tido um caso. Quando sua amiga é assassinada, Rowena com a ajuda de um amigo (Giovanni Ribisi) especialista em informática, irá se aproximar de Harrison para tentar provar que ele é o assassino. 

O diretor James Foley que já bons filmes como“O Sucesso a Qualquer Preço”, “Caminhos Violentos” e “Quem é Essa Garota?”, se aventura aqui pelo suspense com toques de erotismo, tendo como ponto principal a sensualidade de Halle Berry, que é explorada pela câmera em vestidos ousados mais interessantes do que a trama. 

A trama por sinal é confusa, com vários personagens suspeitos do crime que se perdem pelo caminho e uma reviravolta final que força um pouco a barra e precisa ser contada por um personagem, já que algumas situações sequer são mostradas em detalhes durante o filme. 

A Cor da Noite (Color of the Night, EUA, 1994) – Nota 5,5
Direção – Richard Rush
Elenco – Bruce Willis, Jane March, Ruben Blades, Lesley Ann Warren, Brad Dourif, Lance Henriksen, Scott Bakula, Kevin J. O'Connor, Eriq LaSalle, Jeff Corey, Kathleen Wilhoite, Shirley Knight.

O psiquiatra Bill Capa (Bruce Willis) abandonou a profissão após um paciente cometer suicídio. Quando um amigo que também é psiquiatra acaba assassinado, Bill aceita trabalhar com um grupo de pacientes que eram atendidos por ela. Todos os integrantes do grupo tem problemas complicados, mas isso não impede que Bill se envolva com a jovem Rose (Jane March), ao mesmo tempo que desconfia que o assassino possa ser um dos pacientes. 

Este suspense foi massacrado pela crítica na época, que com razão detonou o fraco roteiro e os personagens que são puro clichê. A clara intenção do diretor e provavelmente dos produtores era explolar a beleza da inglesinha Jane March, que ficara conhecida pelo ousado papel no drama “O Amante” feito dois anos antes e aqui tem cenas quentes com Bruce Willis. Apesar da beleza, Jane March era fraquinha como atriz e sua carreira não decolou. 

O interessante são pacientes problemáticos interpretados por atores especialistas em personagens estranhos, como Lance Henriksen, Brad Dourif e Kevin J.O’Connor.     

4 comentários:

Alysson Mello disse...

Achei a premisa do filme A estranha perfeita interessante, mas não gostei do final do filme!

Hugo disse...

Alysson - Os dois filmes tem boa premissa, mas o desenrolar das tramas são fracos.

Abraço

Amanda Aouad disse...

Vi A Cor da Noite recentemente, é bem instável mesmo, apesar de algumas coisa interessantes.

Mas, quem morre é um amigo psiquiatra, hehe, Bob, e não amiga. Acho que você errou na hora de digitar.

bjs

Hugo disse...

Amanda - Valeu pela correção.

Bjos