terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Dia 6 - Com o Coração na Boca (Melhor Suspense/Terror)

O Exorcista (The Exorcist, EUA, 1973) – Nota 10
Direção – William Friedkin
Elenco – Ellen Burstyn, Linda Blair, Jason Miller, Max Von Sydow, Lee J. Cobb, Kitty Wynn, Jack MacGowran, William O’Malley.

Os gêneros suspense e terror já renderam grandes filmes, porém "O Exorcista" é algo incomparável no quesito de assustar. Com um ótimo roteiro, personagens marcantes e todo um leque de maldições e lendas por trás da produção, este filme pode ser considerado o melhor do gênero em todos os tempos.

O filme é baseado num livro de William Peter Blatty e conta a história da pré-adolescente Regan (Linda Blair), que começa a ter atitudes estranhas, falar com voz masculinizada e ameaçar a própria mãe, a atriz Chris MacNeill (Ellen Burstyn). De início a mãe acredita que a filha possa ter algum problema médico, mas depois de uma bateria de exames que não detecta problema algum, Chris leva a filha para a um psiquiatra. 

Durante a sessão, Regan ataca violentamente o médico, sem motivo aparente. Desesperada, Chris resolve procurar a igreja e encontra o padre Karras (Jason Miller), que passando por um período de questionamento da fé, não acredita em possessão. No desenrolar da trama, a garota fica ainda mais violenta, o que chama a atenção de um detetive (Lee J. Cobb) e como última esperança, o padre Karras chama um outro padre especialista em exorcismo, o veterano Lankester Merrin (Max Von Sydow). 

Parece incrível, mas quase quarenta anos depois, o filme ainda assusta. As cenas de possessão da garota são violentas e até profanas, a falta de fé do personagem de Jason Miller é posta à prova e a pequena e importante participação de Max Von Sydow é vital para o entendimento do que aconteceu com a garota. 

Algumas cenas são clássicas, como a a conhecida cena do crucifixo, que deixou a Igreja Católica revoltada, a chegada do padre Merrin à casa da garota durante uma sinistra noite, cena que se transformou no cartaz original e o assustador ritual do exorcismo no clímax do longa. 

Como curiosidade, as histórias de acidentes no set de filmagem, algumas mortes de pessoas ligadas a produção e até mesmo a carreira de Linda Blair que não vingou, criaram um clima de maldição sobre o filme e isso ajudou ainda mais a aumentar o culto por este clássico

7 comentários:

Luís disse...

Para mim, esse é decerto um dos melhores filmes de terror já lançados. Não importa que hoje a violência gráfica seja bem maior nos filmes de terror e que os efeitos sejam uma loucura - esse filme, feito com a tecnologia da época (notadamente inferior à atual), consegue trazer momentos de absoluto terror, muitas vezes marcados por expressões. Quem não se assusta ao ver a expressãod e susto de Ellen Burstyn quando se depara com a filha se masturbando com o crucifixo? Quem não se assusta com a menina levitando? Excelente o filme, excelentes atuações, uma direção segura e um roteiro bastante conciso e preciso - enfim, um grande filme!

Emerson disse...

O Exorcista é o melhor filme de terror de todos os tempos!!!

Rodrigo Mendes disse...

Assusta, mas confesso que não fiquei cagando de medo depois da sessão... dormir com a luz do banheiro acesa para iluminar o meu dormitório, etc.. rs

Inegável que é um filme de arrepiar e muito bom na sua concepção.

Abs.

Celo Silva disse...

Otimo filme, sensacional de todos os jeitos e de arrepiar o cabelo mesmo

Jack, The Ripper disse...

O Exorcista é sensacional, lembro que vi o filme quando muluque e demorei uns dois dias pra voltar a dormir.

bruno knot disse...

pois é... também acho que trata-se do melhor filme de terror de todos os tempos...

e cena do crucifixo arrepia, além de ser extremamente corajosa por parte do diretor/produtor.

Hugo disse...

A todos - O Exorcista é praticamente uma unanimidade dos fãs do gênero.

Abraço