terça-feira, 28 de junho de 2011

Cinéfilo x Consumidor de Cinema


Há algum tempo a amiga Amanda do blog Cine Pipoca Cult escreveu sobre uma situação que a desagradou ao final de uma sessão de cinema. Assim que os créditos de encerramento apareceram na tela, as luzes se acenderam, praticamente todo o público começou a sair como de costume e os funcionários do cinema entraram rapidamente para limpar a sala quase que expulsando quem gostaria de ver os créditos até o final, onde ainda existiria uma cena importante do filme.

Esta situação é um exemplo de como os grandes complexos de cinema vêem o espectador. Para eles o espectador é apenas um consumidor de cinema e na minha opinião a grande maioria de pessoas são apenas consumidores mesmo, os cinéfilos são poucos, infelizmente.

As pessoas que vão ao cinema apenas para ver o grande lançamento da semana, do mês ou o filme brasileiro estrelado por atores de novela, são aqueles que muitas vezes estão mais preocupados com a pipoca e o refrigerante gigante (com preços absurdos por sinal, em SP muitas vezes mais caros que o ingresso) ou na bagunça que a turma de amigos fará durante a sessão. Horas depois da sessão o filme já foi esquecido e na maioria das vezes a pessoa não sabe quem era o diretor e em alguns casos não conhece nem mesmo os atores.

A saída rápida das pessoas após a sessão é uma consequência da cultura em que vivemos, onde tudo deve ser rápido, aprender, ganhar dinheiro, comer, os relacionamentos e por consequência a diversão, mesmo que pouco se aproveite dela.

Vou ao cinema desde meados dos anos oitenta e acompanhei toda esta mudança cultural e estrutural durante estes anos. Naquela época a maioria da salas de cinema eram na rua, os shoppings eram poucos, com isso além dos ingressos terem preços mais baixos, as salas eram maiores e os filmes ficavam em cartaz por mais tempo. Por exemplo, "Nove e Meia Semanas de Amor" ficou quase dois anos em cartaz no cine Belas Artes em SP, hoje em dia seria considerado um absurdo, mas na época o cinema lucrou muito com sessões lotadas por casais de namorados durante este período.

Outra situação que seria considerada completamente maluca hoje é sobre a saída as pessoas ao final da sessão. Muitas ficavam até o final dos créditos e algumas até mesmo repetiam a sessão, sem que algum funcionário tentasse expulsar a pessoa da sala. Algumas pessoas entravam no meio da sessão e ficavam para a sessão seguinte com o objetivo de assistir ao início do filme. Hoje com pequenas salas para cem pessoas fica impossível isso acontecer.

Cada vez mais o cinema é voltado para os consumidores em detrimento aos cinéfilos. Os cinemas de shoppings colocam no máximo uma sala com um filme de arte ou independente, as demais são voltadas apenas para os grandes lançamentos, sem questionamento de qualidade.

Aqui em SP o fechamento da maioria dos cinemas de rua diminuiu e muito este circuito que misturava com qualidade filmes comerciais com obras independentes e longas europeus. Sobraram poucas salas na região da Paulista para os cinéfilos.

Hoje assisto muita coisa em casa, vou pouco ao cinema e sempre durante a semana. Aqui em SP aos finais de semana é preciso ter paciência para encarar as filas nas salas de shopping, além dos preços absurdos e dependendo da situação ainda ter ouvir os barulhos e a bagunça dos "consumidores de cinema".

Infelizmente o espaço para os cinéfilos está cada vez menor em SP e acredito que no resto do país não seja diferente.

13 comentários:

O Projeccionista disse...

É com tristeza que leio este texto, pois deste lado do Atlântico, em Lisboa, a situação não é muito diferente. Apesar de ter começado a ver cinema mais tarde ainda apanhei algumas salas de bairro. Mas aos poucos todas fecharam. Hoje em dia praticamente também só há salas em centros comerciais com o mesmo tipo de público que é descrito aqui. Qualquer dia o cinéfilo que gosta de ver um bom filme em sala torna-se uma espécie em vias de extinção :(

Abraço

Emmanuela disse...

Semana passada eu tive que desistir de um filme em função da fila e da algazarra. Era lógico que muitos deles, senão todos, estavam ali para passar o tempo. O desrespeito e falta de educação são gigantes, prejudicam os amantes da arte. Esse fato é revoltante.

Celo Silva disse...

Aqui no RJ nem se fala, filmes artisticos ou alternativos só em lugares especificos, como a Estação Botafogo. O cinema parece q virou aquelas areas de lazer ou programa de fds. Sem contar o absurdo dos preços, ainda inventaram um tal de 3D q foi uma outra maneira de roubar o expectador. A pessoa paga a mais pelo mesmo filme que poderia ver tradicionalmente. Acho q estamos ficando muito BURROS

Amanda Aouad disse...

Pois é, Hugo. A falta de educação nas salas está cada vez pior.Não só dessa vez que você citou no texto, mas várias vezes vemos coisas absurdas. Outro dia, vi um funcionário da limpeza gritando pra gente, "hei, o filme já acabou". É a cultura do fast food, não podemos mais apreciar nem os bons créditos.

Lembro bem desse tempo que você relata onde ficávamos de uma sessão pra outra, sem ser perturbados.

Quanto a pipoca, não é só aí não. Aqui também muitas vezes é mais cara que o ingresso. Um professor meu de roteiro vivia repetindo que o negócio desses complexos de shoppings não era cinema e sim, pipoca, bastava ver o destaque que davam ao produto em tudo.

bjs

Gabriel disse...

E concordo com tudo. Teu texto me lembrou quando fui ver Bravura Indômita, e o pessoal da limpeza quase me arrasta pra fora da sala, porque eu simplesmente não sai até o fim. Aqui em Brasília eu já desisti de ver filmes de comédia, terror ou animação no cinema, porque sempre tem bagunça e nunca consigo ver o filme em paz. O pessoal ainda tem muito o que evoluir em educação e respeito para que um filme realmente posso ser visto como um filme. Por enquanto, só me resta ficar no conforto da minha casa a base de locadoras e torrent.

Ludmila. disse...

Situação realmente triste.
Cada dia que passa mais um cinema de rua é fechado em São Paulo. Gemini e Belas Artes sucumbiram pra deixar espaço pra cinemas lotados de shopping...
E o pior de tudo é que muitas vezes quando falamos que o cinema agora é pra consumidores corremos o risco de ouvir que temos preconceito e nos achamos melhores... mas os fatos estão aí. O desrespeito por quem aprecia mesmo o cinema é cada dia maior.

Hugo disse...

O Projeccionista - Infelizmente esta é uma tendência mundial. É a globalização da cultura no pior sentido.

Emmanuela - Quem gosta de cinema tem de procurar sessões em horários alternativos durante a semana e aproveitar os lançamentos em DVD.

Celo - Aqui em SP os preços dos ingressos em alguns shoppings passam de R$ 20,00 nos finais de semana nas salas normais. Onde tem 3D ou Imax o valor ainda é mais alto. Por sinal esta cidade está cada vez mais cara em todos os sentidos, os preços estão nas alturas.

Amanda - Hoje em dia existem vários exemplos de negócios com uma determinada finalidade que acaba lucrando muito com os serviços e produtos "acessórios". O caso da pipoca no cinema é um destes, outro exemplo rápido são as lojas que tem a finalidade de vender roupas e hoje oferecem cartões de crédito, se transformando em financeiras, ou melhor, pelo valor dos juros aplicados em agiotas legalizados.

Gabriel - Quanto mais o filme ou o gênero for de apelo popular, pior fica para o cinéfilo encarar uma sessão.

Ludmila - Sua colocação é interessante, algumas pessoas podem achar que é preconceito, principalmente aquelas que adoram dizer "estou no meu direito". Estas pessoas geralmente esquecem que quem está ao lado também seus direitos.

Abraço a todos

Hugo Leonardo disse...

Se em SP está ruim, imagina no interior do pais. O capitalismo transformou a nossa sociedade para de consumo em todos os aspectos. E a arte não é para ser consumida igual uma peça de roupa, e sim para ser sentida, contemplada nos mínimos detalhes e nem todos podem os querem fazer isso.

Mas Ainda bem que inventaram o divx né ...

Hugo disse...

Hugo - Infelizmente é a capitalismo selvagem cada mais forte.

Abraço

Marcos Rosa disse...

É Hugo, o pior quando em sua cidade só tem um cinema, aí sim é triste. Só passa filmes comerciais, o último cult que passou aqui foi "AntiCristo", por apenas uma semana e no horário de 21:00. Já o filme "De Pernas pro Ar" ficou mais de mês. Bom protesto!

___
http://algunsfilmes.blogspot.com/

Regina disse...

Nossa colega...vc foi muito feliz na sua colocação, em toda ela. Eu também frequento o cinema desde os anos 80 e realmente a mudança dos frequentadores é gritante, tudo é muito rápido. Sou cinéfila...amo cinema...tudo dele e realmente me desagrada a maneira como nós somos tratados,como mero espectadores....mas no final nós cinéfilos, somos a minoria mesmo....:(

Hugo disse...

Marcos - Quem mora em cidade menores tem poucas opções, em muitos casos nem mesmo existe uma sala de cinema. É a realidade do nosso país.

Regina - Infelizmente o mundo está transformando tudo em negócio, a arte fica sempre em segundo plano.

Abraço

Fabiane Bastos disse...

Não é diferente em lugar nenhum do país!
Entretanto, nem sempre a platéia "agitada" é prejudicial. A sessão de a Fantástica Fábrica de Chocolates com as crianças prendendo a respiração e fazendo "awhhh", a cada barra de chocolate aberta foi muito gostosa de acompanhar.

Olha como foi:
(http://porfalarnisso.blogspot.com/2011/10/o-caso-da-fantastica-fabrica-de.html)

Ótimo post.