terça-feira, 4 de janeiro de 2011

O Massacre da Serra Elétrica - 1974 e 2003




O Massacre da Serra Elétrica (The Texas Chain Saw Massacre, EUA, 1974) – Nota 8
Direção – Tobe Hooper
Elenco – Marilyn Burns, Allen Danzinger, Gunner Hansen, Edwin Neal, Paul A. Partain.

A jovem Sally (Marilyn Burns), seu irmão paraplégico Franklin (Paul A. Partain) e outros três amigos, viajam pelo Texas quando resolvem dar carona a um estranho (Edwin Neal). Os jovens acabam caindo numa armadilha e são atacados pelos irmãos do sujeito, canibais que cuidam de um velho catatônico que é alimentado com carne humana e sangue num matadouro antigo. 

O longa tem um prólogo onde a polícia encontra diversos restos humanos no matadouro, com uma sinistra narração do ator John Larroquette, como se o longa fosse baseado em fatos reais. Na verdade o diretor Tobe Hooper se inspirou no serial killer Ed Gein, que também foi utilizado para criar outros personagens, como o Buffalo Bill de “O Silêncio dos Inocentes”. 

O clima doentio e as interpretações que parecem reais, como o desespero da atriz principal Marilyn Burns, transformaram o longa rapidamente em cult, com a ajuda dele ter sido proibido em diversos países. 

O filme gerou três continuações tardias, uma de 1986 dirigida pelo próprio Hooper com Dennis Hopper no papel principal e outras duas caça-níqueis (1990 e 1994), além da refilmagem de Marcus Nispel em 2003 e uma continuação desta em 2006. 

Uma curiosidade em relação a tradução, na verdade a serra “elétrica” usada pela psicopata Leather Face funciona com combustível.

O Massacre da Serra Elétrica (The Texas Chainsaw Massacre, EUA, 2003) – Nota 6
Direção – Marcus Nispel
Elenco – Jessica Biel, Jonathan Tucker, Erica Leerhsen, Mike Vogel, Eric Balfour, Andrew Bryniarski, E. Lee Ermey, David Dorfman.

Um grupo de jovens viajando com destino ao México fica sem gasolina em uma estrada no meio do Texas, em local isolado. Os jovens resolvem pedir ajuda em um antigo matadouro, porém não sabem que ali vive uma família de canibais deformados. 

O diretor Marcus Nispel que também assina a refilmagem de “Sexta-Feira 13”, aqui também faz um filme que agrada as novas gerações, mas que fica aquém do original. 

O suspense e as cenas violentas seguem o nível das produções atuais do gênero, a história tenta ir além do roteiro original e o elenco é recheado de jovens conhecidos, a questão é que tudo é previsível e falta o clima perturbador que o longa de Tobe Hooper tem de sobra. 


10 comentários:

Elton Telles disse...

Só lamento esses remakes desnecessários e desmiolados de clássicos do terror. Geralmente, o original é muito mais eficiente e assustador que a nova versão, como é o caso dessa preguiçosa refilmagem de Nispel, um verdadeiro serial killer de filmes consagrados do gênero.

LuEs disse...

Olha, eu concordo com você no que você diz. O clima do primeiro filme assombra muito mais e é exatamente por isso que eu creio que ele seja "melhor". Mas, ainda que o remake seja embasado em certa convencionalidade, eu gosto dele também, acho que passa bem a informação e consegue em alguns momentos criar um suspense interessante. Gsto muito de sua fotografia, principalmente nas paronâmicas que mostram o quão isolada a casa é do resto do mundo.

Dezito (André Sousa) disse...

Gostei do remake somente pela presença de R. Lee Ermey ;) E o primeiro é um clássico absoluto do terror.

Jack, The Ripper disse...

O primeiro "Massacre na Serra Elétrica" era incrível - um filme brutal, aterrorizante e divertido. A refilmagm não dispõe muito de nenhum destes adjetivos, mas também não é das piores.

Kahlil Affonso disse...

o 'massacre' de 74 é muito mais assustador... mas eu tb gosto bastante do remake!

http://filme-do-dia.blogspot.com/

bruno knott disse...

Daria um 6 tb para o remake, que mesmo sendo desnecessário, entretem!

Pedro Tavares disse...

Sei que ele já parou com essa onda, mas adoraria ver um remake deste filme pelas mãos do Rob Zombie.

Hugo disse...

Elton - Remake de clássico sempre fica a dever, infelizmente.

Luís - O original marcou época e serve de referência para o gênero até hoje.

André - R. Lee Ermey sempre será o sargento psicopata de "Nascido para Matar", seu melhor papel no cinema.

Jack, Khalil e Bruno - Concordo, mesmo sendo desnecessário, o remake não é ruim, a questão é compará-lo com um clássico como original, o que fica impossível.

Pedro - Assisti a refilmagem de "Halloween" feita por Zombie e provavelmente a única dessa onda que trouxe novidade e foi realmente interessante.

Abraço a todos

nightrider disse...

filme máximo de tobe hooper e referência mundial para cineastas que ingressam no cinema do horror!até gostei do remake,mas se fosse pra gostar mesmo,diria que o início é bem mais brutal!e tornou mundialmente famosa a motosserra(não sei porque esse nome "serra elétrica").

Hugo disse...

Nightrider - Sem dúvida o filme de Hooper é um clássico absoluto.

A tradução é realmente um absurdo, mas que acabou funcionando.

Abraço