quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Duna - O Mundo do Futuro


Duna – O Mundo do Futuro (Dune, E UA, 1984) – Nota 6
Direção – David Lynch
Elenco – Kyle MacLachlan, Sean Young, José Ferrer, Silvana Mangano, Sting, Kenneth McMillan, Jurgen Prochnow, Max Von Sydow, Linda Hunt, Dean Stockwell, Freddie Jones, Francesca Annis. Virginia Madsen, Richard Jordan, Brad Dourif, Everett McGill, Jack Nance, Sian Phillips, Alicia Witt.

Hoje o cinema perdeu o produtor italiano Dino de Laurentiis aos noventa e um anos. Dino era ator e após a 2º Guerra se transformou em produtor, trabalhando primeiro com diretores como Roberto Rossellini (pai de Isabella Rossellini) e Fellini, depois dividindo os créditos em produções internacionais famosas como "Ulisses", "Guerra e Paz" e "A Bíblia", entre outros longas. Nos anos setenta mudou seu trabalho para os EUA e produziu diversos longas, alguns bons como "Serpico", "Desejo de Matar", "Conan" e "Na Época do Ragtime" e outros grandes fracassos como "Flash Gordon", "Comboio do Terror" e este "Duna".

A história se passa no ano 10.190 num planeta conhecido como Duna, onde três grupos vivem num espécie de sistema feudal futurista. Temos os Atreides, aristocratas liderados pelo Duque Leto Atreides (Jurgen Prochnow), os nobres bárbaros Harkonnens, liderados pelo Barão Vladimir Harkonnen (Kenneth McMillan) e os nômades que vivem no deserto, os Freemans. Quando o Duque Leto é assassinado pelos Harkonnens numa disputa por uma espécie de droga valorizada, conhecida como especiaria, seu filho Paul (Kyle MacLachlan) e sua esposa Lady Jessica (Francesca Annis) fogem para o deserto e se juntam aos Freemans. No deserto, Paul entrará contato com a droga e descobrirá ser o Messias que eles esperam para liderá-los na luta contra os Harkonnens. 

Esta adaptação do livro de Frank Herbert foi um grande fracassso de bilheteria, principalmente pelas divergências entre Dino de Laurentiis e o diretor David Lynch. Lynch filmou pensando num longa com mais de três horas de duração, porém de Laurentiis temendo o fracassso, resolveu cortar o filme e lançá-lo com pouco mais de duas horas, acreditando que seria melhor comercialmente. O resultado foi um erro que tornou a história confusa e com passagens narradas pelo personagem principal vivido por Kyle MacLachlan para substituir as cenas. Anos depois David Lynch lançou sua versão na tv americana e esta foi melhor recebida pelos críticos, apesar da longa duração. O elenco de famosos, os cenários grandiosos e os efeitos especiais ajudaram a inflar o orçamento para incríveis quarenta e cinco milhões de dólares na época, com certeza um dos maiores fracasssos da história do cinema. 


6 comentários:

pseudo-autor disse...

Um filme que eu já tive curiosidade de ver anos atrás. Hoje, eu já o considero uma produção datada, velha, perdeu o encanto. O Lynch já fez coisas muito melhores depois desse!

Cultura na web:
http://culturaexmachina.blogspot.com

Amanda Aouad disse...

Isso é que deu colocar David Lynch para filmar algo comercial. Acho que fez com má vontade. O filme é chato demais.

bjs

Dezito (André Sousa) disse...

Tentar incutir aquele seu surrealismo em obras de sci-fi deu maus resultados. Às tantas quiz tentar perceber o filme mas desisti a meio.

Cumps

Hugo disse...

Pseudo-Autor - Realmente hoje o filme envelheceu, mas vale apenas para conhecer este trabalho diferente de David Lynch.

Amanda - Na época Lynch não era tão famoso e ainda não se sabia que seu estilo seria este conhecido hoje em dia. Seu filme anterior foi "O Homem Elefante" e Laurentiis apostou num diretor emergente, mas o negócio acabou dando errado.

André - Eu não tive a oportunidade de ver a versão do diretor, que acredito ser bem menos confusa.

Abraço a todos

Rodrigo Mendes disse...

Poxa Hugo este filme é ruim em todos os sentidos.

Minha nota pra ele é um ZERO redondo e temperado, rs!

Abs.

Hugo disse...

Rodrigo - A história não é ruim, o problema é a confusão que resultou a versão picotada do filme.

Abraço