quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Chico Xavier


Chico Xavier (Brasil, 2010) – Nota 7,5
Direção – Daniel Filho
Elenco – Nelson Xavier, Ângelo Antonio, Matheus Costa, Tony Ramos, Christiane Torloni, Giulia Gam, Letícia Sabatella, Luís Melo, Pedro Paulo Rangel, Cássio Gabus Mendes, Giovanna Antonelli, André Dias, Paulo Goulart, Cássia Kiss, Rosi Campos, Carla Daniel, Ailton Graça, Nildo Parente, Ana Rosa, Anselmo Vasconcelos.

A adaptação para o cinema da vida de Chico Xavier resultou num interessante filme, que mistura bem drama com algumas cenas de humor, tendo ainda um roteiro que procura humanizar ao máximo a figura do lendário do médium. 

O personagem é interpretado muito bem por três atores em diferentes fases da vida: Na infância o ótimo Matheus Costa passa todo o sentimento de angustia pela perda da mãe (Letícia Sabatella) e depois da madrasta (Giovanna Antonelli), a tristeza e o sofrimento no pouco tempo em que viveu com a malvada madrinha (Giulia Gam), além da difícil aceitação dos familiares e conhecidos em relação ao dom do garoto, que já na época via espíritos e conversava com a falecida mãe. A segunda parte é interpretada por Ângelo Antonio, que descobre ser médium através de dois outros espiritualistas (Ana Rosa e Anselmo Vasconcelos), passando a atender doentes e necessitados em sua pequena casa sem cobrar nada, o que criará conflitos com sua família. Enquanto vemos a sua vida em flashback, o filme corta para cenas na década de sessenta quando o médium é o entrevistado de um famoso programa da época, o “Pinga Fogo”, onde interpretado por Nelson Xavier , ele responde a todos os tipos de perguntas sobre seu trabalho e questionamentos sobre a veracidade de seu contato com os espíritos. 

O longa conta ainda uma história paralela sobre o diretor do programa “Pinga Fogo” vivido por Tony Ramos, um sujeito que perdeu o filho e por conseqüência seu casamento está abalado, mas que receberá uma carta psicografada por Chico e isso mudará sua vida e de sua esposa vivida por Christiane Torloni. 

Como muitos filmes brasileiros, este é interessante quando ao tema mas peca em alguns aspectos, como ao mostrar o espírito Emanuel vivido pelo inexpressivo ator André Dias, onde ainda os especialistas dizem que pelos livros o espírito é forte e disciplinador, o que é mostrado apenas em parte no longa. Além deste personagem, alguns outros também aparecem pouco ou são mal aproveitados, principalmente interpretados por astros globais, como os fracos Cassio Gabus Mendes e Giovanna Antonelli, mas por outro lado posso destacar o ótimo padre interpretado por Pedro Paulo Rangel e o pai de Chico Xavier feito por Luís Melo. 

No final é um bom filme e uma merecida homenagem a um personagem que apesar de controverso para aqueles que não acreditam, deve ser louvado principalmente pelo sua generosidade com o próximo,

7 comentários:

Jenifer Torres disse...

Não sei se quero ver esse filme. Me parece mais um das daqueles caça-níqueis nacionais.

Película Criativa disse...

Também não sinto vontade de ver esse filme, mas muitas pessoas ainda falam dele. Vou esperar chegar na tv p/ assistir.

Amanda Aouad disse...

É um bom filme, sim. Daniel Filho me surpreendeu com uma cinebiografia coerente e envolvente.

bjs

Pedro Tavares disse...

Provavelmente o melhor filme de Daniel Filho...

lematinee disse...

Gostei mto desse filme Hugo. Acho que a atuação de Angelo Antonio está ótima. Já a do ator que faz Emmanuel não é tão boa assim.

Nao gostei das pitadinhas a la novela da globo, como o foco desnecessario numa cachoeira e ainda a roupinha de Jedi branca do espirito emmanuel. Achei mto coisa de A Viagem, rs.

Mas o jeito que a trama é contada bem como a historia em paralelo, faz o filme ser apreciado nao só pelos espiritas né?

Bjs!

Natalia Xavier

Anônimo disse...

Demorei a assistir, pois não vi no cinema, apena o trailler antes do lançamento - e já gostei. Vi há poucos dias e fiquei encantada, a história é contada com uma delicadeza sem precedentes nos filmes nacionais. Com certeza não é caça-níqueis. Sugiro que vejam também os "extras" do DVD. Só uma correção: Chico Xavier participou de dois programas Pinga-Fogo, 28 de julho e 21 de dezembro de 1971, chamados de "marco do jornalismo brasileiro. Só para ter uma idéia: os programas deveriam ter 60min, mas o primeiro durou quase 3h e o segundo quase 4h...

Hugo disse...

Jenifer - Mesmo tendo sido feito para lucrar, o filme é bem produzido e a história do médium interessante.

Película - Logo passará na tv aberta.

Amanda - O único detalhe é que Daniel Filho ainda tem um pé no estilo Globo, aqui nem tanto, mas em "Se Eu Fosse Você" fica claro a influência da tv.

Pedro - Concordo, daqueles que eu assisti, com certeza.

Natália - Um dos objetivos dos filme era atingir um público maior dos que apenas os espíritas e com certeza conseguiu.

Anônimo - Não sabia sobre os dois programas "Pinga Fogo" e a duração. Muito boa sua informação.

Abraço a todos