sexta-feira, 2 de julho de 2010

Eraserhead

Eraserhead (Erasarhead, EUA, 1977) – Nota 3
Direção – David Lynch
Elenco – Jack Nance, Charlotte Stewart, Allen Joseph, Jeanne Bates.

O estranho Henry Spencer (Jack Nance) trabalha em uma espécie de gráfica e namora Mary (Charlotte Stewart). Quando ele é apresentado aos não menos estranhos pais da garota, ela conta que está grávida e os dois acabam se casando, indo morar no pequeno apartamento de Henry. A situação fica complicada quando o bebê nasce totalmente deformado, o que faz com que a mãe o abandone e Henry tenha que cuidar da criança.

Este filme totalmente esquisito vale apenas para se conhecer o início de carreira de David Lynch e principalmente para os fãs do diretor. Por mais que Lynch seja elogiado por parte da crítica, considero alguns de seus filmes exagerados e totalmente sem sentido. Se ele acertou em filmes como “Veludo Azul” e “Coração Selvagem”, além da série “Twin Peaks”, outros trabalhos apesar de terem um clima diferente, como “A Estrada Perdida” e “Cidade dos Sonhos”, são incompreensíveis. Este “Eraserhead” é extremamente chato, onde o único objetivo, acredito eu, seria chocar o público com personagens estranhos e um bebê monstro.

6 comentários:

Alan Raspante disse...

bebê monstro ???
To fora! rs

Amanda Aouad disse...

Eu confesso que tive que ter uma segunda tentativa para terminar esse filme de David Lynch. É massante, fora que o preto e branco dele estourado cansa a vista.

Hugo disse...

Alan - Pode fugir mesmo...rs

Amanda - Você falou tudo, é um filme extremamente chato.

Abraço

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Pedrita disse...

eu amo filmes surreais. amo david lynch. é muito angustiante. simplesmente genial. beijos, pedrita

Hugo disse...

Pedrita - Eu gosto de filmes diferentes, mas este é maluco demais. Além disso, não sou grande fã de David Lynch, mas entendo que tenha muitas pessoas que apreciem do estilo.

Bjos