sábado, 29 de agosto de 2009

O Código Da Vinci

O Código Da Vinci (The Da Vinci Code, EUA, 2006) – Nota 7
Direção – Ron Howard
Elenco – Tom Hanks, Audrey Tautou, Ian McKellen, Jean Reno, Paul Bettany, Alfred Molina, Jurgen Prochnow, Jean Ives Berteloot, Etienne Chicot.

Esta adaptação do best-seller de Dan Brown, tem Tom Hanks como o Professor Robert Langdon, que chamado ao Museu do Louvre pelo curador, acaba encontrando o homem assassinado e passa a ser o principal suspeito na investigação policial. Ele acaba tendo ajuda da criptógrafa da polícia Sophie Neveu (Audrey Tautou) para decifrar as pistas deixadas e chegar aos verdadeiros culpados pelo crime, que podem estar ligados a um sociedade secreta.

Devo ser um dos poucos que não li os sucessos de Dan Brown e com isso não posso comparar com o livro, mas considero que apesar do ótimo elenco, da produção de primeira e da sempre competente direção de Ron Howard, o filme é irregular no ritmo e deixa a impressão que faltou um pouco mais de ação.

A história é interessante, sendo que o mix de assuntos verdadeiros e fictícios que Dan Brown utiliza prendem a atenção de quem gosta de saber mais sobre história, política e religião, aqui especialmente da católica, o que como sempre acaba gerando alguma polêmica.

9 comentários:

Gema disse...

Eu adorei o filme, mas em relação ao livro é inferior.
A minha nota seria 8/10.
Bjks

O Cara da Locadora disse...

Então, eu li e não gostei muito, já o filme eu preferi já que perder 3 horas do seu tempo é muito melhor que perder um dia inteiro (lendo), haha...

Pipoca com Miojo disse...

achei o filme muito bom, mas meio rápido demais pra acompanhar. talvez seja eu mesmo :S

(Ana Carolina)

Hugo disse...

Gema - Fiquei com a sensação de que a história poderia render um filme melhor.

Cara da Locadora - Mesmo sem ler o livro, eu prefiro o filme tb...rs

Ana Carolina - O filme tem muitos detalhes que acabaram passando rapidamente. Com já escrevi, a história poderia ter sido melhor explorada e com um pouco mais de ação.

Caique Gonçalves disse...

Acredita que você foi um pouco generoso com o filme. O filme simplesmente não funciona como adaptação nem como suspense. As atuações, apesar do bom elenco, foram fracas. Serve com entretenimento vazio e sem propósito

Red Dust disse...

Também não li os livros. Como peça cinematográfica, apesar do aparato de meios e do forte elenco, emperrou. Não é mau filme, mas longe de ser recomendável.

Abraço.

Hugo disse...

Caique - Geralmente eu sou generoso nas notas mesmo. Não achei tão ruim, mas concordo que poderia ter sido bem melhor.

Red - Concordo com vc, infelizmente era um bom material que merecia um resultado melhor.

Abraço

Roberto F. A. Simões disse...

O filme tem muito mais qualidade cinematográfica do que alguma vez se esperou para uma adaptação do romance de Dan Brown. O problema foi esse. Qualidade quanto a subtileza dramatúrgica. As linguagens da literatura e do cinema são diferentes, é certo. Mas a questão nem é tanto essa. É que a adaptação não respeitou o ritmo e espíritos próprios do livro. O ritmo imparável. O espírito da revelação em massa e em catadupa. Isso seria muito pouco subtil comparado com a obra que chegou aos cinemas. Exigiria uma banda sonora mais dinâmica do que a que Hans Zimmer compôs. E um registo muito mais comercial, certamente. Ron Howard preferiu a subtileza.
São gostos. Só é pena que se tenha perdido tanto material do livro que alimentaria a polémica à qual Ron Howard fugiu. Independentemente da verdade histórica que na arte não é importante. A banda sonora está um verdadeiro prodígio, e tão diferente daquilo a que Hans Zimmer nos habituou. Ian McKellen, esse, está genialmente formidável.

Cumps.
Roberto Simões
CINEROAD - A Estrada do Cinema

Hugo disse...

Roberto - Respeito sua opinião e como veu leu o livro, tem mais material para analisar o longa.
Quanto a Ron Howard fugir da polêmica, é algo normal, seus filmes são sempre competentes e extremamente bem cuidados, mas passam longe de qualquer polêmica.

Abraço