sexta-feira, 29 de maio de 2009

Syriana

Syriana (Syriana, EUA, 2005) – Nota 8
Direção – Stephen Gaghan
Elenco – George Clooney, Matt Damon, Jeffrey Wright, Chris Cooper, Christopher Plummer, Amanda Peet, Alexander Siddig, Robert Foxworth, William Hurt, David Clennon, Peter Gerety, Jayne Atkinson, Thomas McCarthy, Jamey Sheridan, Tim Blake Nelson.

O veterano agente da CIA Robert Baer, conhecido como Bob (George Clooney) é o cara que faz os serviços sujos, como por exemplo se passar por traficante de armas e explodir uma bomba para matar terroristas, porém começa a ser deixado de lado e percebe que a politicagem está falando mais alto do que a espionagem dentro da CIA.

Ao mesmo tempo o analista de investimentos Bryan Woodman (Matt Damon) perde um filho, mas consegue um emprego milionário para assessorar o Princípe Nasir (Alexander Siddig) que briga com o irmão para herdar o Emirado do pai, onde o petróleo é o grande produto de exportação.

Por trás de tudo isso temos a disputa política para a fusão de duas companhias de petróleo, lideradas cada uma por um executivo sem escrúpulos (Chris Cooper e Peter Gerety) que pretendem investir na extração de petróleo no Oriente Médio e um investigador político ambicioso (Jeffrey Wright) trabalhando para um poderoso (Christopher Plummer) que pretende encontrar um bode expiatório para manter suas negociatas aparentemente limpas.

Este emaranhado de personagens e interesses desenvolvem uma história que mostra toda a corrupção da indústria do petróleo, que tem apoio do governo americano e as terríveis consequências que ela trás, como a exploração dos pobres, que em países do Oriente Médio que podem gerar o terrorismo. O filme não diz em que país se passa a história, mas o título indica que seja a Síria.

7 comentários:

Paulo [ALT] disse...

Bom, eu não sou um dos maiores fãs de filmes que tratem de geopolítica, até pq na mioria das vezes me perco ou não entendo as piadas internas dos negócios, as referências etc.
Assistiria pelo elenco e por não ter o nome de onde se passa, ficar na dúvida sobre ser na Síria ou não.
Abraço

Fred Burle disse...

Compartilho da opinião do Paulo, mas no meu caso, não assistiria por nenhum fator, esse filme.
E toda vez que George Clooney resolve fazer filme cult, acho todos horríveis (Boa Noite, Boa Sorte; Confissões de Uma Mente Perigosa; Contrato de Risco).
Só Três Reis que consegui gostar um pouco mais...

Red Dust disse...

É um filme complicado de se ver. A trama é algo complexa e necessita de uma atenção permanente. Também funciona (por isso algo ignorado...) como denúncia dos interesses, cada vez mais invisíveis, dos tempos actuais. George Clooney arranca uma forte interpretação.

Abraço, Hugo.

Ciro Hamen disse...

Não vi este filme, mas parece ser ótimo. O elenco - pelo menos - é muito bom.

Hugo disse...

Paulo e Fred - Percebi que o tema política não do gosto de vocês e entendo, com certeza este não é um filme para todos os gostos, mas quem se interessa pelo tema com certeza verá qualidade.

Red - Denunciar poderosos não é algo que se aceite facilmente pelas grandes empresas, no caso quem produz cinema.

Ciro - O elenco está muito bem.

Abraço

O Cara da Locadora disse...

Então, é um filme muito denso e assim, enquanto filme é bem chato, mas realmente tem uma história muito interessante... Mas eu não veria mais uma vez... NUNCA< rs... Discordo veemente do amigo ali em cima, Boa Noite, Boa Sorte é um dos melhores filmes que eu já vi e Contrato de Risco achei bom, mas longe de ser 'cult'...

Hugo disse...

Nespoli - Assisti e gostei tanto do ótimo "Boa Noite, Boa Sorte", quanto do bom "Contrato de Risco". A questão é que o tema política no cinema não agrada ao grande público.
Infelizmente.

Abraço