domingo, 16 de novembro de 2008

Filhos da Esperança

Filhos da Esperança (Children of Men, EUA/Inglaterra, 2006) – Nota 9
Direção – Alfonso Cuarón
Elenco – Clive Owen, Julianne Moore, Michael Caine, Chiwetel Ejiofor, Pam Ferris, Danny Huston, Clare Hope Ashitey, Peter Mullan, Oana Pellea.

Em 2027 as mulheres não conseguem mais engravidar, sendo que a última criança que nasceu há dezoito anos acaba de ser assasssinada, levando o mundo à beira do caos, por sinal em uma época onde os imigrantes são caçados e expulsos das cidades, seitas apocalípticas recrutam adeptos e terroristas agem contra os governos.

No meio disso tudo Theo Faron (Clive Owen) um ex-ativista é recrutado por sua ex-esposa (Julianne Moore), agora uma líder do grupo terrorista “Peixes”, para conseguir um passe e escoltar uma jovem que misteriosamente está grávida (Clare Hope Ashitay). A jovem mesmo sendo uma imigrante é vista por Theo como uma luz no fim do túnel da humanidade, mas para manter esta esperança ele terá de protege-la do próprio grupo terrorista que deseja usá-la como um mártir e atravessar um verdadeira guerra para leva-la ao Projeto Humanidade, que tenta descobrir o porque da infertilidade no planeta.

Com uma produção de primeira e grandes seqüências, principalmente a meia-hora final no meio da guerra entre exército, imigrantes e terroristas, que muito lembra os grandes filmes da Segunda Guerra, mostrando um Reino Unido apocalíptico e destruído, o filme nos apresenta a uma verdadeira Babel moderna, com imigrantes do leste europeu jogados nas calçadas, mulheres árabes chorando a morte de parentes, tudo isso deixando uma sensação de abandono e falta de esperança. Uma grande obra de ficção, mas tirando a questão da infertilidade, não fica muito diferente da realidade de muitos países em guerra no momento.

9 comentários:

Pedro Henrique disse...

Nunca fui fã do Cuarón. O que mudou completamente após Filhos da Esperança. Logo na primeira cena, a da explosão, Cuarón já mostrava que merecia a indicação. Ali, a câmera sai do bar acompanha o trajeto do Clive Owen passa por ele girando e mostrando a porta do bar…..BUM….Perfeito. Há também, além da cena que você escolheu que é plasticamente perfeita, a cena do momento em que ele vai atrás da criança naquele prédio em ruínas e bombardeios. Aquele conjunto de tomadas, desde quando ele escapa de levar um tiro até o momento que ele entra no barco é genial. Pouquíssimos cortes são feitos, há até sangue na câmera, que é praticamente toda conduzida na mão, dando um caracter semi-documental, ficou lindo. Além da montagem impecável, fotografia e direção de arte estão excelentes. Realmente um filmaço!!!

Cecilia Barroso disse...

Esse é um dos melhores filme que eu vi nos últimos tempos.
Uma excelente lembrança.

Beijocas

Wally disse...

Esse filme é sublime. Comovente, urgente, original e dirigo soberbamente. Cinema essêncial!

Ciao!

Hugo disse...

Pedro - O filme é um aula de cinema, tb concordo que a sequência que você citou é sensacional. De Cuaron recomendo "E Sua Mãe Também", outro filme bem interessante.

Cecília - Uma das grandes surpresas dos últimos anos.

Wally - Filmaço.

Kau disse...

Acho a direção de Cuarón nneste filme extraordinária. Os planos-sequências (que não são poucos) são construídos de maneira ímpar.

Mas tive problemas com o roteiro...

Abraços.

Fifeco disse...

Gostei bastante do filme por acaso. Dou lhe 8 em 10 mas também já vi há bastante tempo. Não me recordo com tanta exactidão. No entanto, lembro me de alguns pormenores que considerei bastante bons. Além disso tem Clive Owen, um excelente actor.

Abraço

Hugo disse...

Kau - Considero um direção de primeira.

Fifeco - Owen está muito bem com o cara conformado com a situação, que volta a acreditar no futuro e se agarra a esta esperança.

Abraço

THIAGO PAULO disse...

Há, eu adoro Filhos da esperança, e é um dos meus filmes preferidos. Pena que foi esquecido por alguns, que nem lembraram de assistí-lo. Ainda quero na minha estante de dvd's.

Abraços..

O Cara da Locadora disse...

Esse filme é sensacional e emocionante... Surpreendente a situação ocorrida com a Julianne Moore (demorei a acreditar), rs...